O CICLO DA VIDA

Por: Isabela Freitas

Eu não estou te esnobando. Muito menos fazendo aqueles joguinhos de sedução que você tanto gostava; onde eu fingia que não queria mesmo querendo. Fingia não amar mesmo amando. Suas fotos hoje ocupam o fundo de uma gaveta que não abro mais. Você deu sorte, pois se achasse elas estariam no lixo. Os presentes que você me deu já nem me servem. Eu cresci e as roupas encolheram. O tempo passa. Pintei meu cabelo de novo e dessa vez foi porque eu quis. Pra ser sincera, não me lembro de muita coisa do que passamos. Você sabe, sempre tive uma memória questionável. Os sonhos em que você aparecia pararam há meses. Não aguentava mais acordar no meio da noite suando frio. Hoje minhas noites são calmas e minhas manhãs serenas. Sonho com pessoas que ainda não conheço e o meu maior medo é reprovar na faculdade. As pessoas pararam de me perguntar se eu estou bem. Pararam de perguntar onde você estava. Os meus pais não perguntam mais se você vem fim de semana. Minha irmã fez amizade com um vizinho e agora é com ele que ela joga videogame. Até nosso cachorrinho desistiu de te esperar no portão.
Você se foi e deixou um vazio enorme. Embrulhou meu coração em meio à suas malas e não foi barrado no aeroporto. Ei, tráfico de órgãos deveria ser proibido! Mas tudo bem, me disseram que o tempo curava todas as feridas. Até mesmo aquelas abertas que não param de sangrar. Por meses procurei você por todos os lugares mesmo sabendo que não iria te encontrar em lugar algum. Ver você no sorriso de outros virou minha mania e obsessão.
Mas sabe, descobri que o tempo realmente passa. Ele apaga os vestígios sangrentos de corações que se partem e permite que as feridas se curem. A verdade é que você não está presente mais em minha vida. As músicas que antes gritavam sua presença, hoje contam histórias sobre amores que se foram. E eu sequer tive um amor para que ele se fosse. Não foi amor. Foi paixão, foi momento. E momentos passam. Assim como você. Assim como as lágrimas que derramei pensando no fim. Assim como as cartas que escrevi e nunca enviei. Assim como a ilusão de que você era o cara perfeito para mim. Ah… Eu e minha mania de sempre achar isso a cada pessoa que passa pela minha vida. 
 
Minha terapeuta disse que estou curada, engraçado. Saio de seu consultório com um sorriso no rosto porque sei que ela se enganou. Nunca vou me curar do que me faz viver. Se apaixonar, decepcionar, escrever cartas de amor pensando em alguém que já se foi, esquecer e se apaixonar de novo. Esse é o ciclo da vida. Talvez um dia ela aprenda.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s